A Geografia

     A palavra geografia é utilizada com diversos sentidos na linguagem comum. Podemos dizer, por exemplo, que o Brasil é um país com belíssimos atrativos geográficos para o turista estrangeiro, assim como também costumamos dizer que as dimensões geográficas dos Estados brasileiros equivalem à de muitos países da Europa. Além disso, ao longo da história da humanidade, muitas formas diferentes de pensar e de representar o espaço foram elaboradas pelas mais diversas civilizações, de modo que técnicas para se pensar a realidade geograficamente (ou espacialmente) remontam a um passado muito distante. Exemplos de quão antiga é a visão geográfica do mundo podem ser encontrados na rica história das formas de orientação utilizadas pelos contingentes humanos que habitaram a Terra antes de nós, bem como na própria história da cartografia, a qual passou por muitos momentos distintos até chegarmos às modernas técnicas de confecção de mapas.
     No entanto, como campo específico do conhecimento chamado científico, a Geografia começou a ser sistematizada somente a partir do século XIX, por pensadores alemães tais como Alexander Von Humboldt, Karl Ritter e Friederich Ratzel, bem como por geógrafos franceses, com destaque para Paul Vidal de La Blache.
     A definição da ciência geográfica e do seu objeto de estudo vem sendo assunto de longos e complexos debates entre os pensadores desta ciência.Mas, para conseguirmos adentrar introdutoriamente o campo de estudo da Geografia e podermos, assim, visualizar o leque temático desta disciplina, elencando ainda as possíveis perspectivas de trabalho para os estudantes que decidirem por se aventurar nesse curso na universidade, diremos aqui que a Geografia trata da relação entre a sociedade e o espaço. Mas o que significa a relação entre a sociedade e o espaço?
     Os seres humanos só podem viver dentro de um determinado meio, porém, este meio não é um meio puramente natural ou intocado, mas um meio constantemente transformado e adaptado pela ação desses mesmos seres humanos, a qual denominamos ação antrópica. Nesse sentido, nós modificamos a natureza conforme nossa conveniência porque disso depende nossa própria sobrevivência. Com nosso trabalho, nós produzimos o meio que nós mesmos precisamos para viver,convertendo florestas em áreas para a agricultura, construindo cidades, criando as vias de transporte que interligam os diferentes lugares, etc.
     Porém, essa ação antrópica de transformação do meio não se restringe a ações individuais de cada ser humano trabalhando e adaptando solitariamente o lugar em que habita: antes, os seres humanos estabelecem relações sociais entre si, e nesses arranjos criados a partir da forma como as pessoas se relacionam mutuamente é que se dá a produção do espaço de vida da própria humanidade organizada socialmente. Por outro lado, uma vez criado o espaço de uma sociedade a partir das decisões e do trabalho nela existentes, esse espaço produzido passa a ser o próprio âmbito de funcionamento dessa mesma sociedade. Assim, o espaço produzido por uma sociedade é condição de sua reprodução. Ou, em outras palavras, o espaço produzido por uma sociedade resultará no meio em que ela mesma passará a viver posteriormente, oferecendo-lhe facilidades ou criando-lhe dificuldades.
     Enfim, a ciência geográfica preocupa-se com a maneira como as sociedades constroem seu próprio meio, assim como com as consequências que esse meio produzido pode trazer de volta para essas mesmas sociedades. Temas como as disputas em torno do controle sobre os recursos minerais e energéticos, as alterações climáticas e seus efeitos sobre a vida na Terra, a degradação ambiental e a consequente diminuição da biodiversidade, as condições de vida nas cidades e no campo, os conflitos em torno da apropriação da terra e até mesmo as relações políticas e econômicas entre diferentes países são alguns dos exemplos de temas abordados por pensadores e pesquisadores especializados em Geografia.