Lato Sensu / Especialização

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM HISTÓRIA E HISTORIOGRAFIA DA AMAZÔNIA

Coordenação: Prof. Dr. Carlos Augusto de Castro Bastos

APRESENTAÇÃO

A Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) conta com profissionais que pretendem promover uma inflexão na produção do conhecimento histórico e social da Amazônia, recusando o papel de instância periférica, simples consumidora da produção de conhecimento sobre a sua região e realidades, provenientes de outros centros. Neste sentido, a Coordenação do Curso de História da UNIFAP apresenta nas linhas abaixo o Projeto de criação do Curso de Especialização em História e Historiografia da Amazônia, tendo como diretriz normativa a Resolução n.º 09, de 27 de maio de 2008. Este Projeto vem corroborar os esforços da UNIFAP, no sentido contribuir para a formação de pessoal qualificado, oferecendo aos profissionais da área de Humanidades uma oportunidade de atualizar seus conhecimentos e desenvolver projetos de pesquisa e ensino aplicados à realidade da Amazônia.

A região amazônica tem sido tema de intensos debates no cenário político nacional e internacional. As representações sociais acerca do que a Amazônia é ou pode vir a ser estão presentes na elaboração de planos e projetos para esta imensa parte do território latino-americano. Imagens mistificadoras ou reducionistas, amiúde, são projetadas com finalidade política. Eldorado, inferno verde, área marcada pelo vazio populacional, espaço atrasado, região problema, são alguns exemplos destas imagens. Os estudos históricos nos possibilitam problematizar tais discursos e suas conexões com a formulação de políticas públicas. Além disto, o historiador, preocupado com as questões do presente, pode elaborar narrativas históricas portadoras de novos sentidos e prenhes de novas possibilidades de organização e desenvolvimento social.

A atualização e capacitação de pessoal não são apenas exigências da História, mas uma necessidade decorrente do fato de a Amazônia se constituir numa região carente de profissionais com sólida formação na área do ensino e da pesquisa. Portanto, a criação do Curso de Especialização em História e Historiografia da Amazônia contribuirá com a democratização do conhecimento e gerará condições para a realização de inovadores estudos sobre a realidade amazônica — o que tem sido uma das principais preocupações do Ministério da Educação e do Desporto, do Ministério da Cultura e das principais instituições governamentais de fomento à pesquisa.

 

OBJETIVO E ESTRUTURA

O objetivo do Curso de Especialização em História da Amazônia da UNIFAP é formar pesquisadores cujos profundos conhecimentos dos modos de vida e interesses das populações amazônidas ajudem a engendrar outras narrativas históricas, mais assentes às perspectivas e esperanças dos homens e mulheres das mais amplas camadas sociais da região. O público alvo deste curso são os graduados em História, Geografia, Ciências Sociais, Pedagogia, e outras áreas das ciências humanas. Serão selecionados (através de um processo seletivo regido por edital próprio) 30 alunos que farão esta Especialização sem o ônus de pagamento de mensalidades (conforme: Art. 4 da Resolução 09/2008 do CONSU-UNIFAP). O curso terá a carga horária de 440 horas e a duração de 1 (um) ano — incluída a elaboração do relatório final de pesquisa (monografia). As aulas serão ministradas em dois finais de semana de cada mês. Serão ministradas 14 disciplinas por professores mestres e doutores com grande experiência em pesquisa e docência — quase todos pertencentes ao corpo docente da UNIFAP (ver página 4).As disciplinas que compõem o Curso estão organizadas em dois módulos: 1) Teoria e Metodologia da História (Teoria da História, Metodologia da Pesquisa Histórica, Metodologia do Ensino de História e Monografia); 2) História Regional (História e Historiografia da Amazônia I, II e III, História e Historiografia do Amapá I e II, Tópicos Especiais I, II, III, IV e V).

As disciplinas do módulo de Teoria e Metodologia da História têm como objetivo proporcionar aos alunos o estudo de algumas das teorias e metodologias correntes na produção e ensino do conhecimento histórico. Isto ocorrerá através: da discussão de textos teórico-metodológicos; da análise de obras historiográficas; e de exercícios de crítica documental. As disciplinas que fazem parte do módulo de História Regional têm por objetivo discutir algumas tendências da historiografia sobre a região amazônica, abordando temas como: ocupação e trabalho, a questão fronteiriça, a política indigenista do consulado pombalino, os movimentos sociais e políticos dos séculos XIX e XX, o processo de emancipação da escravatura, a imigração e o povoamento, a economia da borracha e os grandes projetos de desenvolvimento. Durante as aulas voltadas para a História Regional, procurar-se-á reconstituir alguns dos principais debates historiográficos acerca destes temas, facultando ao aluno não apenas o contato com a produção histórica recente sobre a Amazônia, como a capacidade de discernimento acerca das propostas teóricas e metodológicas de cada autor.

O Curso terá quatro eixos temáticos: a) Fontes históricas e fundamentos metodológicos da História; b) Identidades e narrativas; c) Relação entre Estado e sociedade na Amazônia; d) Modos de vida, migrações e conflitos sociais. Todos estes eixos serão abordados numa perspectiva histórica, o que significa dizer: tentar-se-á tornar inteligíveis as mudanças sofridas por cada um dos aspectos contemplados neles. A seguir, apresentaremos resumidamente cada um destes eixos temáticos.

Fontes históricas e fundamentos metodológicos da História: a recente ampliação dos tipos de objeto da pesquisa histórica lançou novos desafios aos jovens historiadores. Tudo o que foi tocado pelo homem pode ganhar o status de fonte. Esta mudança qualitativa do conhecimento histórico exigiu a formulação de novas metodologias. Este eixo visa à familiarização do aluno com estas inovações, inserindo-o na experiência instigante das escolhas metodológicas.

Identidades e narrativas: ao pensar o homem amazônida, políticos, intelectuais, viajantes e artistas mobilizaram uma gama diversificada de utensilagens mentais. Os vários discursos sobre o homem amazônida instituíram padrões perceptivos ou modelos de representação que, freqüentemente, demarcaram os limites do concebível acerca das populações do Norte. Neste eixo, ao tentarmos identificar as linhas diretivas das retóricas sobre o “cabôclo”, temos por objetivo aprofundar a discussão acerca da identidade amazônica, evidenciando os conflitos de interesses que são geradores de diferentes narrativas sobre o complexo cultural desta região.

Relação entre Estado e sociedade na Amazônia: muitos estudos têm analisado as tensões entre os diferentes padrões de relação entre Estado e sociedade na história nacional e da Amazônia. As substituições de padrões hegemônicos ensejaram amplos debates historiográficos — como a polêmica sobre a superioridade do modo de atuação jesuítico ou pombalino e a discussão sobre a emergência de políticas desenvolvimentistas para a Amazônia ocorrida, sobretudo, a partir de 1930 (criação de territórios federais, colonização, batalha da borracha, SPVEA/ SUDAM, grandes projetos ou associação entre Estado e grande capital), etc. Este eixo enfoca as principais transformações políticas na Amazônia, atentando para as alterações na esfera estatal, social, ou em ambas.

Modos de vida, modernização e conflitos sociais: a expansão da fronteira da modernização ensejou um choque de concepções de mundo e de modos de vida. Portanto, esta expansão constituiu espaços saturados de conflitos sociais. Este eixo destaca estes conflitos, procurando torná-los inteligíveis e tentando identificar seus desdobramentos no presente.

 

CORPO DOCENTE

O quadro abaixo apresenta o corpo docente que atuará no Curso de Especialização em História da Amazônia da UNIFAP (conforme Artigos. 5, 6 e 7 da Resolução 09/2008 do CONSU-UNIFAP).

GRADE CURRICULAR

O Curso de Especialização em História da Amazônia da UNIFAP formará profissionais que ampliarão e aprofundarão o debate acerca das problemáticas mais urgentes da Amazônia, seja através de sua atuação como profissionais do ensino (nos vários níveis), seja como pesquisadores. Organizadas em dois módulos, mas transversalmente conectadas através dos quatro eixos apresentados, as disciplinas que compõem a grade curricular deste Curso são as seguintes:

COORDENADOR

O Coordenador do Curso de Especialização em História da Amazônia da UNIFAP será escolhido em reunião ordinária do Colegiado de História da UNIFAP, por meio de votação dos professores. Terá uma gestão de 2 (dois) anos, podendo, no entanto, ser substituído a qualquer tempo por decisão da maioria absoluta dos professores deste Curso, em reunião ordinária ou não. Será um dos professores efetivos deste Colegiado, com titulação mínima de mestre e com destinação de 20 horas de sua carga horária de docente às atividades relativas à coordenação do Curso. Sua nomeação será feita por meio de portaria expedida pelo Coordenador do Curso de História e suas atribuições serão aquelas previstas no Art. 14 da Resolução 09/2008 do CONSU-UNIFAP.

Atualmente o Coordenador do Curso é o Prof. Msc. Sidney Lobato, que é professor de História da Amazônia da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), onde, no ano de 2001, concluiu o curso de Bacharelado e Licenciatura em História. Em 2009, tornou-se Mestre em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e, atualmente, é doutorando em História Social na Universidade de São Paulo (USP). É também Presidente da Seção Amapá da Associação Nacional de História (ANPUH-AP). Em 2009, Sidney Lobato publicou o livro Educação na fronteira da modernização. Em 2011, organizou, juntamente com outros pesquisadores, a coletânea Do lado de cá: fragmentos de história do Amapá. E, em 2012, ele lançou o livro Amapá: experiências fronteiriças.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*