O Curso de Licenciatura em Artes Visuais tem como objetivo a formação integral de Profissionais do Ensino de Artes Visuais habilitados a atuar nas áreas de educação, produção/difusão, análise e crítica de arte como docentes e/ou pesquisadores e ainda:

  • – Formar profissionais do Ensino de Artes Visuais com consciência crítica sobre a cultura artística e suas relações com a história e a sociedade contemporânea;
  • – Preparar profissionais para atuarem como Profissionais no Ensino de Arte, orientando-os para que sejam capazes de apreciar, analisar e refletir criticamente sobre a arte como forma de conhecimento estético-artístico, bem como sua função educativa ;
  • – Capacitar profissionais para desenvolverem propostas/atividades artísticas, no âmbito formal e informal;
  • – Analisar criticamente a história do ensino de Artes Visuais, suas principais propostas e métodos;
  • – Conhecer e discutir os fundamentos da linguagem visual: apreciação, reflexão e produção e fornecer subsídios teórico-metodológicos para a compreensão das linguagens visuais ;
  • Formar o Profissional de Ensino de Arte como sujeito integrador e mediador crítico do processo ensino–aprendizagem, de modo a atuar na escola como estimulador da ação educativo-artística;
  • – Desenvolver o pensamento investigativo como permanente processo de pesquisa nas produções científicas, de ensino e artísticas;
  • – Analisar o processo de globalização cultural, econômico e social e suas conseqüências;
  • Desenvolver projetos transdisciplinares visando uma maior integração entre a academia e a comunidade;
  • – Ampliar as discussões acerca da educação para as relações étnico-raciais;
  • – Demonstrar a importância dos aportes teóricos e metodológicos na prática docente e de pesquisa, ressaltando a Indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão.

O curso de Licenciatura em Artes Visuais da UNIFAP forma profissionais habilitados ao ensino, à produção, à pesquisa e à crítica de Artes Visuais. A formação desses profissionais é voltada para o desenvolvimento da percepção, da reflexão e do potencial criativo, dentro da especialidade do pensamento visual. Ao longo do curso, desenvolveu habilidades e competências para ser pesquisador e docente na área, uma vez que possui formação nos conteúdos que compõem as Artes Visuais – experimentos expressivos, teorias de arte e formação didático-pedagógica para a prática docente. Além disso, tem condições teóricas-práticas de atuar como profissional em planejamento, consultoria, formação e assessoria, junto a empresas públicas ou privadas, organizações não governamentais, governamentais, espaços culturais, artísticos, museus, escolas e centro de atividade similares. Dentre as habilidades e competências que compõem o perfil desse egresso vale ressaltar:

  • – Domínio da bibliografia teórica e metodológica básica;
  • – Autonomia intelectual;
  • – Capacidade analítica;
  • – Competência na articulação entre teoria, pesquisa e prática artística;
  • – Compromisso sócio-cultural;
  • – Competência na utilização das novas tecnologias;
  • – Domínio dos conteúdos em Artes Visuais que são objeto de ensino e aprendizagem no ensino fundamental e médio;
  • – Domínio dos métodos e técnicas pedagógicas que permitam a transposição do conhecimento para os diferentes níveis de ensino.

1º SEMESTRE
TEORIA DA ARTE

Reflexão crítica sobre o fazer artístico, problematizando-se sua inscrição na contemporaneidade a arte com fenômeno social cultural e produção de sentido. A materialidade do discurso artístico. Analisar as principais questões que marcaram o debate artístico nacional e internacional. Analisar a passagem do moderno ao contemporâneo, em especial no campo das artes plásticas, assim como sobre as modificações ocorridas em relação à noção de obra de arte e aos critérios de julgamento artístico.

SOCIEDADE, CULTURA E ARTE

Os principais conceitos de “cultura”: cultura material, cultura imaterial, cultura como hábito versos cultura como código. A formação da sociedade brasileira a partir do hibridismo de suas matrizes étnicas: indígena, européia, asiática e africana. O estudo da formação do pensamento artístico a partir das contribuições dessas matrizes na formação do povo brasileiro.

HISTÓRIA DO ENSINO DAS ARTES VISUAIS

Este curso pretende discutir num primeiro momento questões conceituais e filosóficas da educação no Brasil. Em seguida abordam tópicos históricos do Ensino de Arte no país com concentração especial para as mentalidades e métodos de ensino de arte dos anos setenta, oitenta e período contemporâneo.

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS I –

Bidimensionalidade A experimentação das linguagens visuais no plano bidimensional. A experimentação de materiais, suportes, bases e atitudes para o desenvolvimento de propostas artísticas planares.

HISTÓRIA DA ARTE I

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas do Renascimento, estabelecendo suas ligações e rupturas com a visualidade da Idade Média e examinando suas relações com a cultura clássica da Antiguidade.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS I

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

2º SEMESTRE

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS II –

Tridimensionalidade A experimentação artística no espaço tridimensional e em configurações espaciais. Desenvolvimento de propostas para a experimentação artística no espaço físico, conceitual, virtual e de outras configurações.

ESTÉTICA

Origem da Estética na era do Esclarecimento. Como um discurso sobre o corpo faz o corpo desaparecer: Baumgarten e Kant e o par de conceitos inteligível/sensível. Como o corpo retorna com Freud e Nietzsche. O fim do domínio da filosofia e as teorias da arte enquanto um campo específico do campo da arte (Deleuze, Candido, Maffesoli, Benjamin).

SOCIOLOGIA DA ARTE

Os objetivos e limites da sociologia da arte. O problema sociológico e o conceito de ideologia na história da arte. O método sociológico. Os parâmetros entre arte e sociedade. A constituição e transformações nas convenções sociológicas da arte.

HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA I

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas da missão artística francesa estabelecendo suas ligações e rupturas com a visualidade jesuítica, colonial e barroca. Examina também a produção étnica indígena, africana e suas influências e contribuição na construção de uma visualidade nacional.
PERCEPÇÃO E COMUNICAÇÃO VISUAL A comunicação não verbal. Características de Percepção Visual. O processo de criação e decodificação da imagem. Os sentidos como instrumentos da percepção: elementos da comunicação visual.

DIDÁTICA DO ENSINO

Analogias entre Educação, Didática e Ensino. Questões atuais da Educação. Projeto pedagógico da escola e o trabalho docente. Abordagens de ensino e pedagógica brasileira. O cotidiano escolar e a sala de aula: a convivência entre professores, alunos e outros sujeitos do processo educacional. Plano de ensino: tipos de trabalho pedagógico e planejamento de ensino. Objetivos e conteúdos no ensino. Estratégias de ensinoaprendizagem. Avaliação do aprendizado: critérios e instrumentos.

DISCIPLINAS OPTATIVAS
ARTE E SIMBOLOGIA ARTÍSTICA DOS POVOS INDÍGENAS DO AMAPÁ

Introdução ao estudo da cultura dos povos indígenas no Amapá: Waiãnpi, Palikur, Galibi do Oiapoque, Galibi Marworno e Karipuna. A valorização da língua materna e suas relações com as diferentes especificidades de conhecimentos. A função da arte e simbologia artística dos artefatos rituais, mágicos e lúdicos. Contexto da memória história e identidade étnica. Aprendizagens de princípios estéticos e simbólicos, classificados em cada povo indígena.

RECURSO DIDÁTICO PARA O ENSINO DE ARTE

Confecção de materiais didáticos para futuros profissionais do ensino de artes visuais em nível básico.

EXPERIMENTOS DO DESENHO-NÃO-DESENHO

Grafismos. Linha. Estrutura de linha e mancha como ferramenta de investigação plástica. Superfície. Variações de escala. Dimensões. Suportes não convencionais. Desenho e objeto. Desenho e escritura. Desenho e tempo/espaço.

INTRODUÇÃO AS TÉCNICAS FOTOGRÁFICAS

Domínio da técnica fotográfica valorizando a educação estética como uma apreensão verdadeiramente criadora da realidade. Aquisição de uma cultura visual obtendo assim uma atitude crítica diante do conteúdo. da forma e dos sentidos da imagem fotográfica.

APRECIAÇÃO E CRITICA DE OBRA DE ARTE

Análise da produção artística visando a formação de uma consciência estético-crítica; utilização dos princípios da estruturação da linguagem e dos conceitos de apreciação, da crítica e estética elementares.

3º SEMESTRE

FUNDAMENTO E PRÁTICA DO ENSINO DE ARTE I

Os fundamentos do ensino de arte através dos princípios filosóficos, estéticos e artísticos, construídos historicamente no processo social; compreensão os novos ideais no ensino da arte, as ideias que se complementam e divergem; perceber a função da arte e do ensino de arte na sociedade.

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS III –

Reprodutividade A experimentação artística de linguagens baseadas na reprodutividade e massificação. A experimentação artística no corpo físico, social e conceitual como matéria e suporte para as linguagens visuais.

HISTÓRIA DA ARTE II

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas do modernismo em arte, analisando as bases dos movimentos do Século XX, estabelecendo suas ligações e rupturas com o maneirismo, o barroco e o neoclássico.

LÍNGUA PORTUGUESA E COMUNICAÇÃO

A linguagem na comunicação humana; processos e modalidades da comunicação: cultura e suas relações de poder na sociedade. Interpretação, reprodução e produção de textos. Revisão gramatical. Redação de trabalhos científicos.

HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA II

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas da semana de arte moderna e suas ligações e rupturas antropofágicas com a visualidade dos movimentos e produções visuais/estéticas eurocêntricas e nacionais.

ARTE E NOVAS TECNOLOGIAS I

Investigação das estratégias conceituais e possibilidades criativas para trabalhar com novas tecnologias em Artes Visuais. O exame de impacto visual, social e psicológico do advento tecnológico na cultura contemporânea.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS II

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

4º SEMESTRE

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS

IV – Performance O curso pretende atrair o debate crítico e o interesse acadêmico pela performance – eventos – ações. Busca ressaltar algumas questões ligadas a esta forma de expressão artística, tais como a importância simbólica, o aspecto ritualístico, o impacto emocional, o alcance antropológico e o envolvimento interdisciplinar das operações e realizações artísticas performáticas. Visa comentar as relações desta proposta de expressão criativa com suas predecessoras, abordando o caráter híbrido, a sua condição cênico-teatral e sua origem na dinamização das artes plásticas.

PESQUISA EM ARTE I –

Metodologia da Pesquisa Científica A articulação dos diversos aspectos e condicionamentos que envolvem historicamente os processos de formação e investigação no campo artístico. O paralelo entre arte e ciência. A metodologia da pesquisa científica em arte.

HISTÓRIA ARTE CONTEMPORÂNEA

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas da pós-modernidade estabelecendo suas ligações e rupturas com os movimentos modernistas.

ESTRUTUTRA E FUNCIONAMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

Educação e sistema. A educação no contexto da Teoria Sistêmica. As condições sócio históricas na elaboração da legislação educacional brasileira: os aspectos fundamentais na definição da estrutura e do funcionamento do sistema de ensino do Brasil. O ensino Fundamental e Médio à luz da nova LDB – Lei 9394/96: análise, compreensão e crítica à legislação atual de ensino. A Reforma do Ensino Médio Profissionalizante: os novos caminhos da profissionalização no Brasil. O papel dos educadores na construção do Plano Nacional de Educação: ranços e avanços.

HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA

A disciplina terá como tema as manifestações artísticas pós-modernas e suas ligações e rupturas com as bases do pensamento moderno em arte no Brasil.

ARTE E NOVAS TECNOLOGIAS II

Investigação das estratégias conceituais e possibilidades criativas para trabalhar com tecnologias digitais contemporâneas. O exame do impacto visual, social e psicológico da revolução digital em nossa cultura contemporânea.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS III

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

5º SEMESTRE

FUNDAMENTO E PRÁTICA DO ENSINO DE ARTE II

O estudo da visualidade neste século e sua utilização no ensino da arte, a partir da apropriação da experiência sensível-cognitiva do produtor e do fruidor através de procedimentos pedagógicos que propiciem o pensar, analisar, fazer, refletir e julgar, capazes de atender aos objetivos significativos da experiência humana, ou seja, a educação do olhar.

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS V –

Hibridismo O curso almeja observar, discutir e elaborar propostas de trabalhos relacionados à arte atual, ou a arte contemporânea, nos seus diversos campos. Busca ressaltar o distanciamento da arte contemporânea do conceito de arte pura, e a conseqüente diluição dos limites que provoca um permanente “indeterminismo”.

PESQUISA EM ARTE II –

Anteprojeto O conhecimento sobre os indicadores que compõem a estrutura investigativa do desenho do projeto. As linhas investigativas: linhas de pesquisas dos docentes do curso de artes da UNIFAP. O estudo das peculiaridades próprias das artes visuais contemporâneas e sua
indispensável vinculação com a investigação. O vínculo interdisciplinar entre os diferentes tipos de investigação caráter sociológico, estético, histórico, semiótico, psicológico.

ENSINO DE ARTE EM MUSEUS E ESPAÇOS CULTURAIS

Ensino de Arte no sistema museal: memória, patrimônio, poder e mercado. Paradigmas museológicos e as possibilidades de Ensino de Arte. Desenvolvimento de projetos de Ensino de Arte em Museus e Espaços Culturais.
PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO Conceituação e evolução histórica da psicologia. Objetos e métodos de investigação da psicologia. Teorias psicológicas e sua contribuição à educação. O processo de aprendizagem e o indivíduo. Fatores psicológicos que interferem na aprendizagem. Aspectos sócio-culturais e o processo psicológico de aprendizagem. Teorias sobre o desenvolvimento do indivíduo. Desenvolvimento bio-psico-social do indivíduo.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS IV

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

6º SEMESTRE

FUNDAMENTO E PRÁTICA DO ENSINO DE ARTE III

No primeiro momento ocorre o estudo do papel da arte e da arte educação na sociedade a partir dos fundamentos do ensino de arte; planejamento de oficinas capazes de desenvolver a percepção estética, a sensibilidade e o repertório artístico, garantindo o conhecimento do instrumental pedagógico no ensino da arte; no segundo momento ocorre a execução dos projetos de ensino de arte em instituições culturais tais como: museus, galerias de arte, centros culturais, fundações de arte e/ou escolas.

EXPRESSÕES EM LINGUAGENS VISUAIS VI –

Design para Internet História, teoria e estética do design gráfico. Terminologia e conceitos fundamentais. Áreas de atuação em programação visual. Método clássico de desenvolvimento de projetos de design aplicado à programação visual. Programas de identidade visual. Ergonomia da informação. Semântica do design gráfico. Tipografia digital. Visibilidade, legibilidade e inteligibilidade. Ética do design gráfico.

PESQUISA EM ARTE III

Projeto O desenvolvimento de postura do pesquisador sobre a base e a formação do argumento na pesquisa científica – as análises e os argumentos na pesquisa científica. Revisão e sistematização dos conhecimentos, no campo artístico, analisado nas etapas anteriores e seus aspectos transdisciplinares. O desenvolvimento de um projeto final de iniciação científica.

COMUNICAÇÃO E PROCESSOS MUSEOLÓGICOS

Os museus de arte: histórico, desenvolvimento e proliferação. Os principais aspectos teóricos e técnicos de exposições museológicas de vocação artística. A exposição museológica como instrumento de decodificação e comunicação de informações artísticas – obras de arte. A criação e o desenvolvimento de exposição artística.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS V

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

7º SEMESTRE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO I

Primeiramente a realização de pesquisa in loco dos processos de ensino e aprendizagem ocorridos na escola; observação, a análise, a descrição e a reflexão; levantamento descritivo sobre a escola de ensino básico sede do estágio, suas tendências pedagógicas, seu plano político pedagógico, suas situações e relações interpessoais, seus conteúdos, administração; no segundo momento o estagiário analisa os dados coletados socializa-os e aponta proposições para a serem realizadas no Estágio Supervisionado II. A avaliação ocorre por meio de relatos de experiência e relatórios de pesquisa.

PESQUISA EM ARTE IV – TCC

Análise da estrutura final de um projeto de pesquisa; seus métodos e aspectos sistemáticos científicos. Defesa do Trabalho de Conclusão de Curso. Atividades Acadêmicas, Científicas e Culturais VI Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

8º SEMESTRE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO II

Preparar projeto pedagógico, plano de curso, planos de aula, metodologia de ensino e de avaliação; aplicação dos mesmos em sala de aula de escola de ensino básico, levando em consideração as proposições levantadas no Estágio Supervisionado I; retornar para a instituição formadora para socialização.

ATIVIDADES ACADÊMICAS, CIENTÍFICAS E CULTURAIS VII

Os estudantes deverão cumprir 30 horas, ao longo do semestre, em atividades que possibilitem vivências acadêmico-científico-culturais. Tais atividades serão de livre escolha do estudante e poderão ter diferentes naturezas, como a realização de cursos extracurriculares, participação em congressos, seminários, palestras e atividades culturais diversas, validadas pelo professor da disciplina.

OPTATIVAS:

DESENVOLVIMENTO DA CRIATIVIDADE

Conceitos de vivência com a criatividade. Barreiras e processos criativos. Abordagem teórica da criatividade. Aprendizagem, criatividade e ensino. Técnicas de criatividade.

ARTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 

Propiciar ao educando conhecimentos necessários ao trabalho de educação do olhar, ver (imagens) e ler (imagens) paralelamente ao estudo da escrita. Observando que nenhuma imagem é ingênua, observando que todas as imagens estão carregadas de sentido, de valores estéticos e culturais, contribuir para uma alfabetização estética e artística.

MATERIAIS EXPRESSIVOS

Conhecer estilos, técnicas, materiais. Desenvolver a criação individual e em grupo elaborando objetos artísticos e ou utilitários, com matéria prima da região (palha, cipó, madeira, sementes, etc), e, com a utilização da sucata urbana (os rejeitos da sociedade industrial).

SEMIÓTICA

A disciplina tratará de um panorama geral das semióticas, abordando aspectos como: condições necessárias para uma semiótica, o semi-simbolismo e as relações entre o plano de expressão e plano de conteúdo, a narratividade, a figuratividade, a enunciação e as estratégias de instalação do enunciador e enunciatário, intertextualidade e interdiscursividade. Proposição da semiótica como uma teoria geral da significação e como uma metodologia operatória para descrição dos discursos e práticas sociais, análises das obras de arte.

A arte é simultaneamente uma atividade humana e uma esfera do conhecimento, de modo que a inter-relação entre habilitação ou formação profissional e a área do conhecimento, no caso das Arte Visuais, é intrínseca. A licenciatura fomenta as relações entre Arte e Educação, buscando a formação do professor de Artes Visuais, voltada para o ensino fundamental e médio. Espera-se ainda que, através da aquisição de conhecimentos específicos de metodologias de ensino na área, o licenciamento acione um processo multiplicador ao exercício da sensibilidade artística. O licenciado deve estar preparado para atuar no circuito da produção artística profissional e na formação qualificada de outros artistas, tem a possibilidade de atuar em áreas correlatas, onde se
requer conhecimentos técnico específicos. Dentre as competências e habilidades que o profissional graduado pelo Curso de Licenciatura em Artes Visuais temos:

  • – Capacidade de aplicação dos conhecimentos técnicos, métodos e ferramentas necessárias à execução satisfatória de atividades de práticas
    artísticas, pesquisa em arte e docência;
  • – Capacidade para trabalhar em equipes multidisciplinares de maneira ética
    e democrática, contribuindo para a construção e difusão do conhecimento
    científico, artístico e cultural;
  • – Capacidade de trabalhar o arcabouço teórico-metodológico das Artes Visuais na construção do saber artístico e científico e na prática docente;
  • – Questionar os limites dos métodos e paradigmas e buscar novos caminhos para o fazer artístico e científico e para a prática docente;
  • – Compreender suas próprias limitações intelectuais e superá-las via
    educação continuada.

O profissional graduado pelo Curso de Licenciatura Plena em Artes Visuais deverá ainda:

  • – Compreender e absorver valores de responsabilidade social, justiça e ética
    dentro de sua atuação profissional;
  • – Expressar-se em língua portuguesa, com clareza e dominar o vocabulário
    técnico específico da área de Artes Visuais;
  • – Apresentar espírito crítico e analítico, que o capacite a identificar fontes de mudanças, problemas potenciais e alternativas de solução inteligentes e
    adequadas à realidade da cultura artística e educativa;
  • – Ter visão geral, articulada e fundamentada da cultura artística da sociedade contemporânea, marcada pela globalização, e suas recentes
    transformações.

O tempo de conclusão do curso de Licenciatura em Artes Visuais em conformidade com a Resolução CNE/CP 2, DE 19 de fevereiro de 2002 será efetivado mediante a integralização de 3060 (três mil e sessenta) horas, nas quais a articulação teoria-prática garanta, nos termos dos seus projetos pedagógicos, as seguintes dimensões dos componentes comuns:

I – 420 (quatrocentas e vinte) horas de prática como componente curricular,
vivenciadas a partir do terceiro semestre do curso;
II – 420 (quatrocentas e vinte) horas de estágio curricular supervisionado a
partir do sétimo semestre do curso;
III – 2700 (duas mil e setecentas) horas de aulas para os conteúdos
curriculares de natureza científica-cultural;
IV – 210 (duzentas e dez) horas para outras formas de atividades
acadêmico-científico-culturais.
V – 120 (cento e vinte) horas para disciplinas optativas de caráter não
obrigatório.

A duração da carga horária prevista no Art. 1º da Resolução CNE/CP 2, DE 19 de fevereiro de 2002, obedecidos os  200(duzentos) dias letivos/ano dispostos na LDB, será integralizada em, no mínimo, 8 (oito) semestres – 4 (quatro) anos – e no máximo em 12 (doze) semestres – 6 (seis) anos.