0

Francophonie Itinérante 2024

O projeto Francophonie Itinérante é fruto da parceria entre a Associação dos Professores de Francês do Amapá (APROFAP), a Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), a Universidade do Estado do Amapá (UEAP), o Centro Estadual de Língua e Cultura Francesa Danielle Mitterrand, o Centro Cultural Franco-amapaense e a Escola Estadual de Ensino Fundamental Professora Marly Maria e Souza da Silva.

Em alusão à Journée Internationale de la Francophonie, entre os dias 20, 21 e 22, em Macapá e Oiapoque, serão desenvolvidas atividades itinerantes que visam à integração de algumas instituições do estado do Amapá, bem como debater sobre os desafios do ensino e aprendizagem da língua francesa no contexto da região franco-brasileira.

Esse projeto compõe o calendário de atividades da Semana da Francofonia Brasil 2024 que busca promover o diálogo entre culturas e civilizações, a educação e o compartilhamento do conhecimento produzido e
organizado pelas instituições de ensino e cultura francófona de todo o Brasi .

0

Curso de Letras dá boas-vindas aos estudantes estrangeiros da UNIFAP (Pec-G) 2024

O curso de Letras, através do Programa Português para Estrangeiros coordenado pelo professor Dr. Rosivaldo Gomes e do Programa CELPE-Bras, coordenado pelo professor Dr. Olaci Carvalho, recebeu os alunos do PEC-G 2024. Oriundos de países francófonos tais como Congo, Senegal e Costa do Marfim, os alunos participarão ao longo do ano de encontros regulares com escopo na Língua Portuguesa. Tais encontros, sob coordenação dos professores, contarão com a participação ativa de discentes dos cursos de Letras Português e Francês e de Letras Português e Inglês.

“O Programa de Estudantes-Convênio de Graduação (PEC-G), criado oficialmente em 1965, oferece a estudantes estrangeiros a oportunidade de realizar seus estudos de graduação em Instituições de Ensino Superior (IES) brasileiras. Com isso, contribui para a internacionalização das instituições participantes e para a difusão das perspectivas brasileiras pelo mundo.

O PEC-G é administrado pelo Ministério das Relações Exteriores, por meio da Divisão de Temas Educacionais, e pelo Ministério da Educação, em parceria com Instituições de Ensino Superior em todo o país”. (Fonte: https://www.gov.br/mre/pt-br/assuntos/cultura-e-educacao/temas-educacionais/programas-de-estudo-para-estrangeiros/pec-g/sobre)

0

Curso de Letras ganha novo Grupo de Pesquisa: Escritas de Si em Língua Francesa-ESILF

O grupo de pesquisa Escritas de Si em Língua Francesa-ESILF tem como objetivo reunir pesquisadores das áreas de Letras/Francês para refletir sobre as diferentes formas, funções, história e poética das escritas de si em língua francesa com o intuito de propor caminhos didáticos, como a “leitura subjetiva” (ROUXEL; LANGLADE, 2004) e outros, para o uso desses textos ou gêneros literários nas aulas de Francês Língua Estrangeira (FLE) nas escolas e universidades públicas do Estado para a construção da identidade social na língua-alvo dos aprendentes. “Escritas de si” é uma locução genérica que abrange uma ampla categoria de escritos que assumiram formas variáveis ao longo dos séculos até o presente e dos quais a autobiografia é possivelmente a forma mais conhecida. Entretanto, conforme Simonet-Tenant (2017, p.8), não se trata apenas de autobiografia – no sentido de um relato retrospectivo que uma pessoa real faz da sua vida num espírito de verdade, as “escritas de si”: […] constituem uma nebulosa de contornos variáveis conforme as posições teóricas que, sumariamente, abrangem a autobiografia, o diário pessoal, as cartas, as Memórias e o testemunho, nomeadamente textos que têm por objeto uma realidade extralinguística vista através do prisma da subjetividade.

A escolha da escrita de si justifica-se assim por ser motivadora tematicamente, pois permite ao aluno leitor criar ligações entre o lido e sua própria vivência. Essa experiência de leitura que associa literatura e vivências pode ser realizada em um primeiro momento sem a intermediação das diversas teorias sobre a literatura (História, Crítica e Teoria literárias).

São assim objetos de reflexão deste grupo as reflexões sobre “escritas de si” associadas ao seu ensino através da “leitura subjetiva” ou outra forma de metodologia. Essas reflexões objetivam em última análise, associar “literatura” e “didática das literaturas” em língua estrangeira e, particularmente, as literaturas em língua francesa.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.

0

Coordenador do Curso de Letras Português e Francês participa do III Encontro FRANMOBE

O professor Antonio Almir Silva Gomes, coordenador do Curso de Letras Português e Francês, participou do III Encontro FRANMOBE realizado pela Embaixada da França e pela Agence Universitaire de la Francophonie. O Encontro, realizado nos dias 06 e 07 de março na Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus Ipiranga, São Paulo, discutiu questões de mobilidade pelo prisma do programa FRANMOBE, cujo escopo central recai sobre a realização, pelas universidades brasileiras, de curso de planejamento de mobilidades acadêmicas docentes e discentes com destino na França e em países francófonos.

0

Curso de Letras ganha novo Grupo de Pesquisa registrado no CNPq: Escritas de Si em Língua Francesa-ESILF

O grupo de pesquisa Escritas de Si em Língua Francesa-ESILF tem como objetivo reunir pesquisadores das áreas de Letras/Francês para refletir sobre as diferentes formas, funções, história e poética das escritas de si em língua francesa com o intuito de propor caminhos didáticos, como a “leitura subjetiva” (ROUXEL; LANGLADE, 2004) e outros, para o uso desses textos ou gêneros literários nas aulas de Francês Língua Estrangeira (FLE) nas escolas e universidades públicas do Estado para a construção da identidade social na língua-alvo dos aprendentes. “Escritas de si” é uma locução genérica que abrange uma ampla categoria de escritos que assumiram formas variáveis ao longo dos séculos até o presente e dos quais a autobiografia é possivelmente a forma mais conhecida. Entretanto, conforme Simonet-Tenant (2017, p.8), não se trata apenas de autobiografia – no sentido de um relato retrospectivo que uma pessoa real faz da sua vida num espírito de verdade, as “escritas de si”: […] constituem uma nebulosa de contornos variáveis conforme as posições teóricas que, sumariamente, abrangem a autobiografia, o diário pessoal, as cartas, as Memórias e o testemunho, nomeadamente textos que têm por objeto uma realidade extralinguística vista através do prisma da subjetividade.

 A escolha da escrita de si justifica-se assim por ser motivadora tematicamente, pois permite ao aluno leitor criar ligações entre o lido e sua própria vivência. Essa experiência de leitura que associa literatura e vivências pode ser realizada em um primeiro momento sem a intermediação das diversas teorias sobre a literatura (História, Crítica e Teoria literárias).

São assim objetos de reflexão deste grupo as reflexões sobre “escritas de si” associadas ao seu ensino através da “leitura subjetiva” ou outra forma de metodologia. Essas reflexões objetivam em última análise, associar “literatura” e “didática das literaturas” em língua estrangeira e, particularmente, as literaturas em língua francesa.

 

Líder: Profa. Dra. Annick Marie Belrose

Vice-Líder: Profa. Dra. Érika Pinto de Azevedo 

0

Curso se prepara para o ano Brasil França / França Brasil (2025)

Professores da área de línguas e literaturas francesa e francófona – nomeadamente Alcenice Couto, Annick Belrose, Erika Azevedo, Katiuscia Fernandes, Olaci Carvalho – juntamente com o coordenador do Curso de Letras Português e Francês, prof. Antonio Almir Silva Gomes, se reuniram na manhã de hoje (23/02/2023) para planejar ações da área para o ano 2024 e também para 2025, neste caso, com vistas ao ano Brasil – França / França – Brasil (2025). Para além disto, dentre outras questões, os professores discutiram a aplicação do exame de proficiência em língua francesa DELF / DALF em parceria com a Embaixada da França.

0

VIII Simpósio de Estudos Dialetológicos e Sociolinguísticos – VIII SEDS

Data: 29/02 a 01/03

Horário: 15:00 – 18:30

Local: auditório do DEPLA/UNIFAP

 

O VIII Simpósio de Estudos Dialetológicos e Sociolinguísticos – VIII SEDS é uma atividade de extensão que vai para sua 8ª edição promovida pelos coordenadores e integrantes do grupo de pesquisa Atlas Linguístico do Amapá – ALAP, no qual buscar-se-á divulgar e discutir temáticas investigadas em estudos/pesquisas no contexto da sociolinguística amapaense, realizadas em âmbito da Graduação, da Iniciação Científica e da Pós-Graduação,  por integrantes do referido grupo de pesquisa, sob coordenação dos professores Celeste Ribeiro e Romário Sanches. Assim, o evento configura-se como um momento de partilha e compartilhamento dos resultados dessas investigações, a fim de dar visibilidade aos trabalhos realizados pelo grupo ALAP e aos produtos alcançados nesses trabalhos.

 

Organização: Grupo de Pesquisa ALAP/UNIFAP; Grupo de Pesquisa LinLiS/UEAP

Apoio: CCLING/CCLFRAN/DEX/UNIFAP/UEAP

0

I Seminário de Planejamento do Compromisso Nacional Criança Alfabetizada

Nos dias 06 e 07 de fevereiro, ocorreu o I Seminário de Planejamento do Compromisso Nacional Criança Alfabetizada, realizado pela equipe do projeto FOREI-NORTE. O evento contou com a participação dos sete estados que compõem o projeto, sendo estes: Amapá, Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima, Tocantins e Pará.

O projeto possibilitará a formação continuada de quase 30 mil professores da educação infantil nos 458 municípios da região norte.  A formação utilizará o material do programa Leitura e Escrita na Educação Infantil (LEEI) como base dos estudos, mas será garantida a adequação de acordo com as especificidades de cada estado.

O projeto é coordenado pelos professores Adelma Barros-Mendes e Rosivaldo Gomes, professores do curso de Letras Português-Francês da Unifap.

Professores dos cursos de Letras Português-Francês e Português-inglês também atuam como colaboradores do FOREI-NORTE: Profa. Dra. Rosilene Pelaes, Prof. Dr. Antonio Almir Gomes, Profa. Dra. Cilene Campetela, Profa. Dra. Celeste Ribeiro e Profa. Dra. Suzana Santo.

0

Professor participa de mesa redonda intitulada “Ensino multilíngue nas escolas indígenas atendidas pelo SOMEI”

O professor Antonio Almir Silva Gomes participou como mediador da mesa “Ensino multilíngue nas escolas indígenas atendidas pelo SOMEI” realizada no dia 01 de fevereiro como programação do Encontro Pedagógico Linguístico Antropológico do SOMEI, ano 2024. A mesa foi composta pelos professores Sônia Aniká, Makaratu Wajãpi, Celeide Kawuyana e Jaciara dos Santos, que discutiram e problematizaram questões de sua praxe docente relativas ao multilinguismo.