II SEMINÁRIO INTERNACIONAL – DYAGA

II SEMINÁRIO INTERNACIONAL – DYAGA

DINÂMICAS DE CIRCULAÇÃO DE BENS, PESSOAS E PLANEJAMENTO TERRITORIAL NA FRONTEIRA GUYANO-AMAPAENSE (DYAGA)

I CIRCULAR

 

O Brasil e a França compartilham uma fronteira de 730 km em plena Amazônia, que corre ao longo do rio Oiapoque, da sua foz até a sua nascente, e depois percorre o divisor de águas da bacia amazônica até encontrar o ponto de trijunção com o Suriname. Esta fronteira é marcada pela presença de diferentes fluxos que provocam um impacto territorial sobre a bacia do rio Oiapoque, gerando, por conseguinte, dinâmicas territoriais formais e informais que necessitam de compreensão teórico-metodológica e também de ações de políticas públicas organizadoras do território. Nos dias 2 e 3 de dezembro de 2019 o grupo de pesquisadores do projeto Dinâmicas de circulação de bens e pessoas e planejamento territorial na fronteira Guyano-Amapaense (DYAGA) e convidados debaterão temas atinentes a questões geográficas, antropológicas, históricas entre outros eixos relevantes em mesas temáticas continuando o que foi pensado na I edição do DYAGA, realizado em Macapá em março deste ano.

MAIS INFORMAÇÕES, PRAZOS, PUBLICAÇÕES : 

I CIRCULAR _ Seminário DYAGA OIAPOQUE (1)

 

Palestras do SARI – Semana Acadêmica de Relações Internacionais.

No dia 26 de Setembro, ocorreu o ultimo ciclo de palestras do SARI – Semana Acadêmica de Relações Internacionais. No qual Brenda Farias, Lívia Verena, Dábila Brito, Jéssica Mayara e Ediane Gomes explanaram um pouco sobre suas pesquisas.
Essas que fazem parte do programa de Pós-graduação em Estudos de Fronteiras (PPGEF), além do PAMER – (Programa de Apoio a migrantes e Refugiados) e o POTEDES- Grupo de pesquisa em Politicas, Território e Desenvolvimento.Trataram sobre : “A Migração no Mundo Contemporâneo” e sobre “O impacto da pesquisa na Trajetória Acadêmica”

Foto 1: Bruna Bastos (Bacharel em Relações Internacionais), Jéssica Mayara (Mestranda pelo ppgef) , Dábila Brito (mestranda pelo ppgef), Brenda Farias(Mestre em Estudos de Fronteiras) e Ediane Gomes ( Bacharel em Relações Internacionais).

 

Foto 2: Lívia Verena( Mestre em Estudos de Fronteiras), Brenda Farias, Dábila Brito, e Ediane Gomes

 

Foto 3: Brenda Farias, Dábila Brito, Lívia Verena e Ediane Gomes

 

Submissão de trabalhos para o ERABED – Norte 2019

CHAMADA DE TRABALHOS

A Comissão Organizadora do III ERABED NORTE, que ocorrerá na UNIFAP nos dias 5 e 6 de novembro de 2019, convida os estudantes de graduação, pós-graduandos, mestres e doutores para submissão de propostas de trabalhos. Haverá duas modalidades de apresentação:
Painéis – para pós-graduandos, mestres e doutores.
Pôsteres de Iniciação Científica – para estudantes regularmente matriculados em cursos de graduação.

ATENÇÃO PARA O PRAZO: 24 de agosto a 17 de setembro de 2019

REGRAS E INFORMAÇÕES NO EDITAL. Acesse: https://bit.ly/33RYwhk

UNIFAP CRIA COMITÊ PELA LIBERDADE RELIGIOSA NO ESTADO DO AMAPÁ

 

Organizado pelo PAMER (Programa de Apoio a Migrantes e Refugiados) juntamente ao Mestrado Profissional em Estudo de Fronteiras, Colegiado de Relações Internacionais e CEPRES (Centro de Estudos Políticos, Religião e Sociedade), a Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) cria o primeiro comitê pela liberdade religiosa no estado do Amapá. O evento ocorreu no dia 28 de junho no auditório da biblioteca e contou com diversos representantes religiosos do estado como Igreja Católica, seguimentos evangélicos (Igreja Reviver e Assembléia de Deus), Pai Salvino, Pai Marcos, Casas de Terreiro, Comunidade Judaica do Amapá, Comunidade Espírita da União do Vegetal, Comunidade do Santo Daime, Maçonaria, Fé Bahá’í, Reiki, Comunidade Budista Soka Gakkai do Amapá , Saint German, Espiritismo, Gnose, Museu Sacaca e de Etiologia, acadêmicos de História, Ciências Sociais, Pastoral Universitária, Ministério Público, Juventude Terreiro do Amapá, Comissão de Igualdade Social (OAB), alunos do Mestrado Profissional de Ensino de História, alunos do Mestrado Acadêmico em História, representantes dos Direitos Humanos ligado ao curso de Direito da UNIFAP e representantes do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da UNIFAP.

O professor de Relações Internacionais da instituição e um dos organizadores do evento, Vinícius Freitas, afirma que a criação do comitê pelo respeito e liberdade religiosa no estado do Amapá teve por objetivo “Desenvolver ações juntamente com entidade religiosas e entidades da sociedade civil no combate à intolerância religiosa, combate ao racismo religioso e a divulgação na defesa da liberdade religiosa. Então são ações que nós estaremos juntos com a sociedade civil e a Unifap proporciona essa contribuição do ponto de vista da pesquisa, do ensino e da extensão”

 O evento fez uma nota de repúdio e solidariedade ao terreiro do Pai Salvino, que na última semana sofreu uma intolerância religiosa, por outra vertente religiosa, e também ao caso da Mãe Lília, que acerca de dois anos foi denunciada por alguns vizinhos, enquanto desenvolvia suas atividades de pajelança no terreiro situado no bairro buritizal.

O comitê abordou a intolerância religiosa ocorrida no Brasil nos dias atuais e a necessidade de unificação de todos os segmentos para a proposição de ações. Além disso, os representantes dos segmentos religiosos puderam discorrer sobre a importância do assunto e de possíveis ações no combate da intolerância religiosa no estado. É ainda previsto um novo evento nesta mesma temática no segundo semestre juntamente com o Ministério Público.

 

Mesa sobre Mulheres Migrantes

O Programa de Pós-Graduação em Estudos de Fronteira (PPGEF) e o Programa de Apoio a Migrantes e Refugiados (PAMER) da Universidade Federal do Amapá (Unifap) organizam mesa “Mulheres migrantes”, em alusão ao dia 20 de junho, dia Mundial do Refugiado, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, através da agência do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Neste ano, o PPGEF e o PAMER homenageiam as mulheres migrantes e refugiadas, através da discussão dos seguintes temas e trabalhos desenvolvidos pelas próprias mulheres, incluindo migrantes, protagonistas de suas próprias trajetórias:

“Tráfico internacional de mulheres”
Ruane Queiroz Silva (PPGEF/PAMER/Unifap)

“Representação social das mulheres Migrantes brasileiras”
Dábila de Cássia Brito (PPGEF/Unifap)

“Violência e Direitos Humanos das mulheres Migrantes”
Ediane dos Santos Gomes (PAMER)

“Interseccionalidade e Fronteira: Mulheres negras Migrantes”
Livia Cunha do Rosário (Ueap/PAMER-Unifap)

Debaterora:
Annick Belrose (Unifap)

Apresentação em Seminário na Universidade de Brasília

Na última terça feira, dia 18/06/2019, o professor doutor Handerson Joseph, coordenador do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Fronteiras – PPGEF, participou do seminário: A Recepção dos Refugiados em Brasília – Políticas e Experiências de acolhida. O professor Handerson participou de uma mesa redonda intitulada “Políticas de Acolhidas” junto com outros professores explanaram um pouco mais sobre essa temática e suas próprias perspectivas. O evento aconteceu na Universidade de Brasília (UNB)

 

Seminário : A Recepção dos Refugiados em Brasília, Mesa Redonda. Fonte : Arquivo Pessoal, 2019.

 

 

Seminário : A Recepção dos Refugiados em Brasília, Mesa Redonda “Políticas de Acolhidas” . Fonte : Arquivo Pessoal, 2019

Concessão de Bolsas aos Mestrandos pelo CNRS – Centre National de la Recherche Scientifique

A mestranda Jéssica Mayara Lima Ramires do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Fronteiras (PPGEF) e o mestrando Jean Paulo Pinheiro do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional (PPGMDR), orientandos do Prof° Dr. Gutemberg de Vilhena Silva e membros do Grupo de Pesquisa Políticas Territoriais em Desenvolvimento – POTEDES, foram contemplados com financiamentos para a produção de suas  pesquisas, através  do  observatório Hommes-Milieux Oyapock, criado pelo CNRS em 2008.

Este observatório tem o  intuito de  fornecer monitoramento de longo prazo das relações humano-meio ambiente no Vale Oiapoque, no rio fronteiriço da Guiana e no Brasil.

Sua implantação está vinculada à construção da ponte binacional que liga as margens francesas e brasileiras do rio entre os municípios de Saint-Georges de l’Oyapock, lado francês, e Oiapoque, lado brasileiro. Sua missão é compreender os parâmetros que afetam a população humana e o meio ambiente relacionados a esse evento, contribuindo assim para a tomada de decisão e ação pública.

OHM Oyapock faz parte da rede OHM do CNRS, que também faz parte do Laboratório de Excelência DRIIHM, um centro de pesquisa interdisciplinar em interações humano-ambientais.

Gerente do OHM: Damien Davy , CNRS Research Enginer

 

Foto 1 : Da esquerda para direita: Gerente do OHM: Damien Davy, CNRS engenheiro pesquisador; Mestranda pelo PPGEF: Jéssica Mayara; Mestrando pelo PPGMRD: Jean Paulo.