“A Universidade Federal do Amapá em Oiapoque: Realidade, Potencialidades e Desafios da Educação na Fronteira Brasil – Guiana Francesa.”

O presente artigo tem como objetivo apresentar brevemente a experiência da Universidade Federal do Amapá (UNIFAP) no desenvolvimento da educação universitária na fronteira do extremo norte do Brasil. A compreensão da Universidade como um ator local, mas com capacidade de ação internacional que é feita a partir do conceito de paradiplomacia. Apontamos alguns diferentes atores, nacionais e subnacionais, na dinâmica da educação universitária na fronteira. Finalmente, focamos nas ações do Campus Binacional da UNIFAP na cidade do Oiapoque.

art_gustavo_mariana

http://seer.ufms.br/index.php/revgeo/article/view/2515

Oiapoque, aqui começa o Brasil: a fronteira em construção e os desafios do Desenvolvimento Regional

O Município de Oiapoque é a única fronteira brasileira com um território europeu ultramarino, a Guiana Francesa. Particularmente, essa região e sua condição de fronteira se depara com desafios para sua efetiva inserção no processo de desenvolvimento regional, uma vez que apresenta condições distintas das outras fronteiras brasileiras com países autônomos, independentes e envolvidos em acordos transfronteiriços. O Brasil e a Guiana Francesa vivem em descompasso diplomático de restrições que limitam a migração, a cooperação, a solidariedade e as relações comerciais. Nesse sentido, as práticas socioespaciais e econômicas, pautadas nessas dinâmicas de relações restritivas à livre circulação de pessoas e ao comércio, constroem-se muitas vezes à revelia do Estado. Os desafios regionais para o desenvolvimento de Oiapoque abordados neste artigo evidenciam que a invisibilidade social, o isolamento territorial e a condição “marginal” de fronteira são contextos que estão sendo rompidos pelas novas dinâmicas da organização socioeconômica e política emergidas nas últimas décadas.

Artigo Oiapoque aqui começa o Brasil

Acadêmicos do curso de Enfermagem que compõe o projeto de extensão Prevenção do uso e abuso de álcool e outras drogas no município do Oiapoque

Sem título  IMG-20170220-WA0004  IMG-20170220-WA0002  IMG-20170220-WA0004

Os acadêmicos do curso de Enfermagem que compõe o projeto de extensão Prevenção do uso e abuso de álcool e outras drogas no município do Oiapoque nº 062-2015-DEX, coordenado pela professora Mestre Fernanda Matos Fernandes Castelo Branco realizaram nos meses de janeiro de fevereiro visitas as aldeias da etnia Karipuna. O projeto objetiva: Discutir sobre a prevenção do uso e abuso de álcool e outras drogas no município do Oiapoque e contempla tanto as escolas do município quanto as comunidades indígenas.

Segundo a professora, em relação ao consumo de álcool e outras drogas, pode-se considerar prevenção tudo aquilo que possa ser feito para evitar, impedir, retardar, reduzir ou minimizar o uso, o abuso ou a dependência e os prejuízos relacionados ao padrão de consumo de substâncias psicoativas. Sendo assim, a principal finalidade das ações que estão sendo executadas.

IMG-20170220-WA0000  IMG-20170220-WA0005  IMG-20170220-WA0003  IMG-20170220-WA0006

Neste projeto outros professores estão acompanhando as atividades, tais como: Tancredo Castelo Branco Neto (curso de direito), Carlos Manuel Dutók, Rafael Pires e Fabio Trindades (curso de enfermagem) e neste final de semana contou com a participação do diretor do Campus, Isan Oliveira. Vale lembrar que o projeto está sendo executado em parceria com a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e anuência dos respectivos caciques que no ano de 2016 tomaram conhecimento do projeto juntamente com lideranças, demais órgãos competentes e membros da comunidade durante as assembleias realizadas nas aldeias do Kumarumã e Manga.

Ressalta-se que já estão programadas atividades e ações educativas para os meses de maio e junho juntamente com as comunidades e caciques.

Egresso do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena é aprovado no Mestrado em Antropologia da UFPA

Atividade prática do Projeto de Extensão “Produção e Edição de Vídeos de Com a equipe de acadêmicos do CLII durante atividades do Projeto de Extensão “Levantamento de Dados Sociolinguísticos do Povo Palikur na T.I. Uaçá”, 2013.

Atividade prática do Projeto de Extensão “Produção e Edição de Vídeos de Com a equipe de acadêmicos do CLII durante atividades do Projeto de Extensão “Levantamento de Dados Sociolinguísticos do Povo Palikur na T.I. Uaçá”, 2013.

Sair da aldeia, passar por dificuldades financeiras na cidade e ter que se comunicar em português são grandes barreiras, mas que os alunos do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena, Campus Binacional do Oiapoque, precisam ultrapassar. Esses foram alguns dos desafios enfrentados por Adonias Guiome Ioiô, indígena Palikur-Arukwayene, aprovado no Mestrado em Antropologia da Universidade Federal do Pará. Adonias estudou o ensino fundamental e médio na E.I.E. Moisés Iaparrá, na Aldeia Kumenê, onde é professor. Ao ingressar no curso de Licenciatura Intercultural Indígena (CLII) teve que intensificar a leitura e escrita em português, idioma que ele, falante nativo do Parikwaki, pouco dominava. Durante a graduação Adonias participou de projetos de extensão e pesquisa voltados para a descrição, estudo, promoção e valorização de sua língua e cultura, todos coordenados pela docente do CLII,  Dra. Elissandra Barros, sua orientadora.

Adonias Guiome Ioiô e o sábio Wet, durante a palestra “Memórias e história dos Arukwayene através do projeto Saberes Indígenas na Escola Palikur”, promovida pelo CLII, julho de 2016.

Adonias Guiome Ioiô e o sábio Wet, durante a palestra “Memórias e história dos Arukwayene através do projeto Saberes Indígenas na Escola Palikur”, promovida pelo CLII, julho de 2016.

Adonias também foi bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) e assumiu a função de Supervisor no mesmo programa. Após o término da graduação Adonias continuou como pesquisador, dessa vez ligado ao Núcleo Kusuvwi de Estudos Palikur-Arukwayene (NUKEPA), grupo de pesquisa do CLII que visa fomentar a pesquisa com e entre os Palikur-Arukwayene, produzir conhecimento científico com e sobre este povo, além de formar pesquisadores indígenas e possibilitar que as pesquisas realizadas sobre o povo também retornem para a aldeia como fonte de estudos e conhecimento para a comunidade indígena.

Com o sábio Wet, durante o ritual Kayka Aramtem, na aldeia Mawihgi, 2016.

Com o sábio Wet, durante o ritual Kayka Aramtem, na aldeia Mawihgi, 2016.

Atualmente, Adonias é orientador do Saberes Indígenas na Escola Palikur e um dos idealizadores do NIRAKAH, o Centro Arukwayene de Compartilhamento de Conhecimentos, Ideias e Saberes. Para o futuro Mestre em Antropologia, a formação acadêmica é uma forma de “ajudar meu povo a valorizar e fortalecer a nossa cultura, língua e identidade” e destaca também que “minha preocupação enquanto pesquisador e professor de Cultura Indígena é registrar e documentar as histórias e memórias do meu povo e possibilitar que esse conhecimento seja compartilhando com a comunidade e a escola. A Licenciatura Indígena me abriu portas para vários tipos de conhecimento, principalmente para compreender a importância da minha própria cultura”.

Atividade prática do Projeto de Extensão “Produção e Edição de Vídeos de Documentação com Povos Indígenas”, 2013.

Atividade prática do Projeto de Extensão “Produção e Edição de Vídeos de Documentação com Povos Indígenas”, 2013.

O Curso de Licenciatura Intercultural Indígena da Universidade Federal do Amapá é ofertado no Campus Binacional do Oiapoque desde 2007 e já formou dezenas de professores pertencentes aos povos Galibi-Maworno, Galibi-Kalinã, Karipuna, Palikur-Arukayene, Waiãpi, Apalai, Waiana, Tiriyó e Kaxuyana. Em 2017 o CLII completa dez anos atuando na formação de professores e pesquisadores indígenas do Amapá e Norte do Pará, sendo um dos primeiros cursos de formação superior indígena criados no Brasil.

Na formatura, com o diploma do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena, 2015.

Na formatura, com o diploma do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena, 2015.

DOAÇÃO DE LIVROS

IMG-20170213-WA0005

O curso de Direito do Campus Binacional recebeu dos senadores Davi Alcolumbre e Randolfe Rodrigues cerca de 1000 exemplares de legislação para seus alunos, dentre elas Código Civil, Constituição Federal, Código de Defesa do Consumidor, Nova Ortografia, Lei Maria da Penha dentre outros títulos.

A entrega foi realizada após a visita institucional dos senadores para discutir demandas de servidores do Campus Binacional de Oiapoque.

 

I Encontro de Patrimônio Cultural Ambiental Amapaense

Sem títuloO evento é fruto do resultado das pesquisas realizadas pelos pesquisadores do Grupo de Pesquisa do CNPq “Estudo, Pesquisa e Preservação da Cultura Material Amapaense” do período de 2005 a 2016.
O Tema do Encontro “Base Aeronaval do Amapá” surgiu depois da realização de aulas da disciplina Arqueologia como atividades de Extensão e Pesquisa com alunos da Turma de Graduação em História Bacharelado 2013 da UNIFAP, no município de Amapá, em dezembro de 2016.

O I Encontro de Patrimônio Cultural Ambiental Amapaense, será o momento de apresentar para comunidade acadêmica da UNIFAP e o povo do Amapá o resultado da Pesquisa de pós-doutoramento do Professor Edinaldo Pinheiro sobre A Base Aeronaval do Amapá e a Segunda Guerra Mundial bem como, as pesquisas do Prof. Dr. Iuri Cavlak e do Prof. Dr. João Batista Gomes de Oliveira.

I Encontro de Patrimônio Cultural Ambiental Amapaense

Dia: 15.02.2017

Horário: a partir das 17h30min

Local: Auditório do Bloco de Letras e Artes da Unifap

13/02/2017 – 1126189 – CLEIDE DO SOCORRO MORAES DE AZEVEDO

Reinicia obra da construção dos Blocos B e C do Campus Binacional de Oiapoque.

16729405_1079876615455270_1637101587167347067_n  16708458_1079876902121908_6394027104237999557_n  16711713_1079876715455260_3823355225015638691_n  16649182_1079876765455255_139200822861332014_n

Reiniciou a obra de construção do bloco B e C da Universidade Federal do Amapá Campus Binacional de Oiapoque, onde a comunidade em geral aguardava pelo retorno da obra. Sua conclusão na expansão do Campus atenderá o ingresso de novas turmas de alunos, o canteiro da obra já começou a receber equipamentos e, matérias que serão utilizados nas fundações que deram início nesta sexta feira dia 10/02/2017.

Asscom – Campus Binacional de Oiapoque.

Senadores da Republica Randolfe Rodrigues e Davi Alcolumbre, em visita institucional se reúnem com a comunidade acadêmica do binacional.

16508686_1079871358789129_9082992302006990118_n  16729371_1079871798789085_3632249339307396293_n   16708674_1079871762122422_3211497403935272324_n  16711697_1079871832122415_8947931649551527599_n

Aconteceu no dia 11 de fevereiro de 2017 (sábado), no auditório da UNIFAP – Cambinacional no anexo colares, uma reunião institucional com os Senadores da República Randolfe Rodrigues e Davi Alcolumbre, onde ambos ouviram a comunidade acadêmica, que na ocasião, expuseram aos parlamentares algumas demandas prioritárias para o Campus Binacional de Oiapoque. Ao final da reunião alguns temas expostos pelos servidores, ficaram de ser estudadas para serem tomadas as devidas providencias pelos senadores, que firmaram o compromisso de retornarem em breve com as respostas a comunidade acadêmica do binacional.

Asscom – Campus Binacional de Oiapoque

CONCURSO PARA ESCOLHA DO NOME DA REVISTA DIGITAL DO CURSO DE LICENCIATURA INTERCULTURAL INDÍGENA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

EDITAL 01/2017

 

CONCURSO PARA ESCOLHA DO NOME DA REVISTA DIGITAL DO CURSO DE LICENCIATURA INTERCULTURAL INDÍGENA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ

 

A Universidade Federal do Amapá por meio do Curso de Licenciatura Intercultural Indígena (CLII) torna público, para conhecimento da comunidade acadêmica, o regulamento do concurso de escolha do nome da Revista Digital do CLII.

 

EDITAL 01 2017 PARA ESCOLHA DO NOME DA REVISTA DO CLII