ITI participa do 1º Workshop de Inovações Tecnológicas da Área de Identificação – WITAID

O assessor da presidência do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação – ITI, Eduardo Lacerda, representou o Instituto, na última terça-feira, 24, durante 1º Workshop de Inovações Tecnológicas da Área de Identificação – WITAID. O evento, promovido pela Diretoria de Serviço Militar – DSM em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia em Identificação Digital – Abrid, aconteceu no Auditório do Departamento de Ciência e Tecnologia do Quartel Geral do Exército – QGEx, e teve por objetivo apresentar soluções existentes no em segurança da identificação e certificado digitais.

O assessor participou da primeira mesa do Workshop, “Cenário Atual da Identificação Digital no Brasil”, junto com o diretor-executivo da Abrid, Célio Ribeiro. Lacerda falou aos presentes sobre a segurança atribuída aos documentos eletrônicos que fazem uso da certificação digital no padrão da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil. “Não é apenas uma questão de interoperabilidade, mas uma questão de segurança. Um documento com certificação digital ICP-Brasil dificilmente sofrerá uma fraude. O Exército brasileiro, passando a utilizar a carteira de identificação com certificação, será um exemplo para todo o País”, afirmou Lacerda.

Foi explicado ainda que a ICP-Brasil é uma plataforma totalmente nacional, gerida pelo Estado e que agrega segurança e confiança às transações eletrônicas. Para destacar a importância e as possibilidades de uso da certificação, Lacerda apresentou algumas das aplicações que fazem uso da ICP-Brasil, como a Nota Fiscal Eletrônica – NF-e, o Conectividade Social, o HomologNet e o Prontuário Eletrônico utilizado no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo – Icesp. “No Icesp, o uso de documentos eletrônicos levou a uma economia de R$ 5 milhões por ano”, salientou o assessor.

Por fim, Lacerda explicou a diferença entre o Certificado Digital e o Certificado de Atributos; o primeiro serve para assinar e identificar o indivíduo; o segundo, para autentificar e qualificar uma pessoa. Encerrando sua fala, o assessor afirmou a relevância do uso da certificação digital pelo Exército. “Certamente, com a certificação digital ICP-Brasil, será possível desburocratizar processos do Exército e diminuir o tempo gasto com protocolos, tudo isso com mais segurança e controle”.

Antes da apresentação do assessor da presidência do ITI, o tenente-coronel do Exército, André Gustavo, detalhou o projeto da Autoridade Certificadora de Defesa – AC-Defesa, que agregará o Ministério da Defesa e as três forças armadas brasileiras: Exército, Marinha e Aeronáutica. A previsão, de acordo com o tenente-coronel, é de que a AC-Defesa comece a operar em 2015, como AC de primeiro nível da ICP-Brasil. “A Estrutura da AC atenderá às três forças e nos trará a possibilidade de trocar informações de forma eletrônica com autenticidade, confiabilidade e integridade”, destacou Gustavo.

Fonte: ITI

 

Deixe uma resposta


*